Fazer Login | Cadastrar-se | Entre em Contato

COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba

Futebol: Razão x emoção

Merecemos a segunda


22/07/2014 09h00
Fernando Schumak Melo

E são vários os culpados. A torcida (eu,você, nós)que não comprou a ideia do planejamento a longo prazo e, não suportou os dois vices da Copa do Brasil, obrigando a diretoria a demitir Marcelo Oliveira.
Obrigou também a diretoria a se desfazer de atletas dos quais hoje sentem saudade, tais como Léo Gago e Davi.

Os jogadores atuais, também tem culpa. Mas não tanto. Eles se esforçam, mas não tem técnica pra jogar no Coxa que queremos. Simplesmente não servem, seja pela idade ou pela deficiência técnica.

A diretoria também tem culpa, pois, cedeu às pressões e mandou embora muita gente boa, sendo incompetente na reposição.
A ideia de mudança e novos rumos foi posta água abaixo quando trouxeram Alex e Roth. O medalhão indubitavelmente talentoso e o treinador capaz de unir e agregar as peças, o que, teoricamente não conseguiram Tcheco, Marquinhos e Dado Cavalcanti.

Não deu certo. Um medalhão talentoso não basta para vencer. A seleção brasileira que o diga. A filosofia de 2010 estava certa. Treinadores baratos, jogadores baratos, todos em busca de projeção. Era preciso aguentar mais um pouco as atribulações da torcida e as críticas da imprensa para seguir o plano. Mas tudo foi largado, e o Coxa voltou à fórmula de muitos times fracassados do Brasil. Salários caros, estádios desconfortáveis, e futebol pífio.

Mandaram embora todo o departamento médico, e escancararam tal medida como se fosse sinal de masculinidade. Ora, tais mudanças se fazem sorrateiramente, sem alarde, agora convivemos com troca de farpas via redes sociais. Ridículo para uma instituição que se diz empresa.

Atrás dos bancos de reservas, confesso a vocês, eu sinto vergonha alheia dos caras e das coisas que os caras gritam para os jogadores e o treinador. Sério, é triste, muito triste. Não estou dizendo que vocês não podem xingar, claro que podem, eu xingo e muito, mas tenhamos o mínimo de respeito pelos seres humanos, por mais incompetentes, burros, ou seja lá o que achem que eles sejam.

Se formos para segunda divisão, nem acho tão ruim, acho até oportunidade para reimplantar a fórmula que começou em 2010, e que hoje sabemos, deu tão certo em 2011 e 2012. Os fatos estão aí! Basta abrir os olhos e ver. O Marcelo Oliveira foi campeão Brasileiro. Deram um time “um pouco” melhor pra ele e, como num passe de mágica, passou a ganhar fora de casa também.

Eu quero um Coritiba renovado, que faça o novo, que mude os conceitos. Não o Coritiba do presidente que se alia aos lacaios e mercenários do futebol brasileiro, e que desfila no palco ao lado dos comandos.
O rival dá o exemplo. Rival que, por mais que me doa dizer, tem tudo pra estar, num curto prazo, anos luz à nossa frente, assim como estamos daquele que hoje nem mais rival é.

- Chega de pagar absurdos a enganadores! Chega de medalhões! Invistam na base!

- Tragam de volta o presidente da sobriedade, da continuidade e do progresso! Onde ele foi parar??


Eu quero um novo Coritiba, tanto quanto quero um novo futebol brasileiro.

Abaixo - segue coluna que escrevi quando da saída de Marcelo Oliveira. Mais atual do que nunca:








Quem leu minhas últimas colunas sabe que de fato eu já estava, como muitos de nós, fartos das escalações improvisadas, do excesso de volância, das derrotas, mas principalmente das declarações de supervalorização dos adversários que marcavam os discursos de nosso ex-técnico.

De fato, os jogadores apáticos em campo, principalmente fora de casa, pareciam também estar fartos do treinador, tanto que se habituaram a perder fora de casa, afinando o discurso e passando a tratar a derrota assim como o treinador tratava: fato normal diante da grandeza do adversário.

O fato de se entregarem e jogarem melhor dentro de casa, para mim é mais um motivo para comprovar o desrespeito que o time tinha para com seu comandante.
Como explicar tamanha diferença de comportamento das mesmas pessoas?
É que dentro de casa, não era apenas ao treinador quem deviam impressionar e alegrar, mas também a torcida, e ninguém quer ficar mal perante ela.

E assim, a impaciência com o treinador foi se alastrando e chegou até a imprensa que ao invés de apenas relatar o descontentamento dos torcedores com o treinador, passou a pedir, ainda que dissimulada e suavemente, sua cabeça.

Ontem, enfim, a intolerância com Marcelo chegou aos altos escalões Coxas. E o que se deu foi sua demissão.

Mas por que então a tristeza? Ora, não era a demissão que tanto queríamos?

Pode até ser, mas o que entristece é o fracasso do projeto. O que entristece é que ao demitir seu treinador, o Coxa volta a ser um time comum, como tantos no Brasil. A tristeza do colunista é fruto da ilusão alimentada, pois, juro que por um momento pensei que Marcelo Oliveira, não o de agora, mas o de 2011, ficaria anos e anos no nosso comando técnico, seria campeão, crescendo junto e conquistando títulos para o Clube mais bem administrado e comandado do Brasil...

Ledo engano.

E creio que ninguém deva ficar feliz totalmente, portanto, eis que a saída de Marcelo, é reflexo da falta de união do grupo, causada não somente por suas deficiências técnicas, não sejamos injustos, mas por um conjunto de fatores que envolvem do mais alto ao mais baixo cargo no alto da Glória.

A saída de Marcelo Oliveira é neste ponto também a sucumbência do projeto Coxa à cultura do futebol brasileiro. Um retorno às raízes mais nefastas do "nosso esporte bretão."

A saída de Marcelo Oliveira é, enfim, a expressão maior do fracasso do projeto, ainda que apenas no ano de 2012.

Por este motivo a coluna hoje é de tristeza. Porque a demissão é de Oliveira, mas o fracasso é nosso.

Mas, fazer o que? Bola pra frente. Esta é no fim a nossa sina de torcedor, apoiar, entristecer-se e alegrar-se com o Coxa.
Novos tempos hão de vir e a tristeza com certeza logo dará lugar à esperança de que, La Pulga, Deivid, e Marquinhos Santos – homem inteligente e de trabalho competente nas bases – consigam alegrar este sofrido coração Coxa Branca.

Que neste momento não bate, apenas fibrila de tensão.

65 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Jeitinho Alemão.


13/07/2014 18h44
Fernando Schumak Melo

O maracanã não merecia mesmo, Papai Felipão Pré-Scolari que mandou seus filhotes entrarem em campo como no maternal. O palco no qual já se apresentaram tantas grandes estrelas do futebol brasileiro e mundial esteve muito melhor com as cores da Alemanha e da Argentina.

Não torço contra a Argentina, que acho fez por merecer a taça, mas torço pela Alemanha, porque representa o melhor do futebol em todos os sentidos. Na organização, na valorização dos clubes e da sua liga nacional, na consistência e persistência do trabalho sob um comandante moderno, e que tem comandados craques em quase todas as posições.
O meio campo da Alemanha é sensacional, Kroos, Schwiensteiger, Oezil, entre outros, enfim. É um time que se dá ao luxo de deixar Gotze e Schürle no banco, dois que entraram no segundo tempo da final pra resolver o jogo.

O Brasil, que antes tinha a ginga e a “desorganização” simpática e talentosa, nem isso tem mais que os alemães. Nosso “craque” é um oxigenado cai-cai, que jamais será ídolo, a não ser das “molhadinhas” de plantão, que também gritam e se descabelam por Bieber e Felipe Dilon. Simpatia, descontração, aliás, que foram as marcas da seleção alemã. A nossa “sem-noção” brasileira, foi antipática, sisuda, chorona e flácida como seu treinador. Alegria e ousadia? Só a globo via.

Para o Brasil, foi a Copa dos inversos. O que se achava dar errado, e do que se tinha medo, deu certo. A estrutura, aeroportos, e a receptividade e a educação do povo. Nós, o povo brasileiro, estamos de parabéns pela festa, em que pese devamos saber que a fatura ainda vai chegar. O zagueiro e retranqueiro gaúcho sai com recordes negativos de zaga mais vazada da história, maior derrota da história, pior número de passes, enfim, entrou, junto com o Parreira, na lista de grandes “professores” como Papai Joel, René Simões, Macuglia e Márcio Araújo.

O futebol brasileiro é o grande derrotado. De 90 pra cá: Lazarone, Parreira, Zagallo, Felipão, Parreira, o Incrível Anão Dunga, e Felipaço do “Mineirazzo e Garrinchaço”. O que é isso gente? E o pior é que se parar pra pensar, quem vocês colocariam no lugar deles? A seleção foi reflexo do campeonato brasileiro. Pobre, vexatório, sem organização; comandado por técnicos milionários, burros, truculentos, e que nos mandam para o inferno.
Se até o Galvão – tá certo que só depois da porta arrombada – disse que a vaca do Brasil foi pro brejo, é porque o cadáver do futebol brasileiro está fendendo há tempos.

Semana que vem o Coxa, nossa seleção, volta à Campo. Que esta Copa tenha servido para Roth treinar e ajeitar o time. Que a segunda metade do ano seja melhor, bem melhor, do que nos foi a primeira. Nos vemos quarta no Couto!

Ah, já ía me esquecendo, Vanderlei, você viu algum jogo do Neuer? isso é ser goleiro!

 / Foto: Fernando Schumak Melo

30 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Neymarra


07/07/2014 19h01
Fernando Schumak Melo

Neymar... Neymar... Neymar... Neymar....

Não sei se falavam mais do Jr. quando estava jogando ou agora que não estará.
Podem até me chamar de insensível, mas o Neymar tanto fingiu, tanto pediu, tanto gritou, que os Deuses do futebol colocaram o Zuniga no seu caminho.. “Queria gritar Neymar, agora grita!!!”
Quem bate uma bola de vez em quando sabe que 90 e 10 por cento das faltas que ele recebe não são para o escândalo que ele faz, e, não sei quanto a vocês, mas isso me irrita. Fingimento me irrita. Ele é craque, mas deveria mudar essa paixão por ser a vítima.

Sobre as seleção, acho que tem totais condições de superar a Alemanha sem o novo RRRRRonaldinho do Galvão. Quem sabe enfim, vejamos um time com um pouco mais de toque de bola e consistência. Felipão queria tanto um centroavante de ofício, mas seus laterais isopores não passam uma vez sequer à linha de fundo para cruzar uma bola ao menos disputável.

Oscar tá devendo desde o estreia, quem sabe amanha ele não deslancha. Pelos jornais podemos ver que o substituto mais provável de Neymar é Luiz Gustavo. Alguma surpresa? Não. Estamos falando de Felipão que jamais colocaria alguém como Bernard para estrear numa fria dessas. Ele vai reforçar o meio, soltar mais Oscar pra encostar no Hulk, e torcer pra que Fred (que quando deita leva perigo) desencantar.

Ouço muito das pessoas, " ****-se o Brasil, o Coxa é minha seleção.” De fato, eu fico bem mais feliz quando o Coxa vence um misero jogo, do que quando o Brasil vence um campeonato. Por que? Porque temos intimidade com o Coxa, estamos sempre lá vendo, aplaudindo e xingando nossos jogadores. Isso não temos com a seleção. Culpa da CBF que levou a seleção pra longe, e dos clubes, incapazes de manter seus atletas selecionáveis.
Esse ano porém, o clima de Copa contagiou-me. Estou torcendo pelo Brasil muito mais que em 2006 e 2010. Ainda mais agora que estamos prestes a virar um time. Espero chegar à final. Espero que seja contra a Argentina. Não por conta da rivalidade besta alimentada pela mídia, apenas porque o futebol merece.

56 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Futebol à granel.


01/07/2014 09h26
Fernando Schumak Melo

O Brasil é o celeiro do mundo. Grande produtor de safras recordes de grãos, comodities como soja, milho entre outros. Matéria prima nunca foi problema para o Brasil, vide os ciclos coloniais de pau Brasil, açúcar, café e borracha.

Assim também é com o futebol. Fazendas de futebol existem aos montes. Grandes e pequenas propriedades nas quais brotam, germinam, craques a todo momento. Uma terra fértil jamais desgastada pela monocultura futebolística.
A terra produtora, porém raramente fica com a melhor parte da produção. Os produtos “tipo exportação” são, obviamente, exportados ao que se chama preconceituosamente de primeiro mundo, para que lá façam propaganda das fazendas de craques brasileiras, num comércio sem erro, sem risco, e que só fez crescer.
Esse “sucesso” financeiro das fazendas na venda de seus produtos, bem como da seleção de produtos nacionais, fez com que elas não se unissem a fim de melhorar o produto interno. Mal administradas e endividadas, em que pese todo o sucesso na venda de seus produtos ao exterior, os consumidores locais são maltratados e tem de se contentar com o excedente de produção de baixa qualidade que mantém no estoque, e que são expostos nas vitrines estaduais e nacionais.

Isso, pois, uma fazenda não produz para outra fazenda brasileira, ou para a indústria nacional, produz com o objetivo do comercio exterior. Lucrativo, porém, insustentável.
Essa competição desorganizada entre as fazendas que não possuem controle central, uma vez que a cooperativa brasileira de fazendas se cuida única e exclusivamente do marketing futebolístico através do selecionado de produtos nacionais, faz com que o comércio nacional seja fraco, os produtos, de péssima qualidade, expostos em embalagens de péssimas condições.

Os consumidores nacionais, para não ficarem apenas com os produtos que caem dos caminhões antes de chegarem ao porto; para terem um gosto da melhor carne produzida, se obrigam a importar cortes melhores, de países como Inglaterra, Espanha, Itália e Alemanha. Que apesar de não se compararem ao Brasil em termos de agricultura futebolística, são especialistas na indústria de futebol, e agregam muito valor aos produtos que disponibilizam aos seus consumidores. Mais que vender produtos in natura, vendem o pacote completo, com um selecionado mundial de produtos, de forma organizada, em embalagens padrão da Federação Internacional de Fazendas Associadas.

Não é preciso dizer que comercializar matéria prima é infinitamente menos lucrativo que vender manufatura, bem como bem menos salutar à industria e ao comércio nacional. Assim, em que pese celeiro do mundo, não é o Brasil quem mais paga, muito menos quem mais lucra com os frutos dessa terra em que se plantando, tudo dribla.

1 Comentário. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Um sonho possível.


18/06/2014 14h00
Fernando Schumak Melo

 / Foto: Fernando Schumak Melo



Segunda feira fui à arena da baixada ver o “grande” jogo de Ira x Nigéria. Como todos sabem o jogo foi uma desgraça, mas o entorno, a atmosfera, o clima de Copa é sensacional.

Fui com minha esposa, e chegamos lá cedo para tentar interagir com os torcedores das duas seleções. Acabamos tirando algumas fotos com alguns iranianos que estavam em bom número por sinal, e do meu lado sentou um Nigeriano com quem arrisquei uma conversa.

Do meu outro lado, acima e abaixo, atleticanos, paranistas, muitos coxas brancas com camisas e bandeiras do Coxa, flamenguistas, gremistas, todos em paz, bebendo suas cervejas, e debatendo o futebol.

 / Foto: Fernando Schumak Melo



Tentei achar explicações sobre por que não poderia ser sempre assim e não consegui. Tentei arranjar motivos para justificar a barbárie e a violência que assolam o futebol nacional e não consegui.

Depois de um tempo, percebi que de fato não existe justificativa racional, o cara que não consegue ver um jogo sem se importar com o resultado e sem ter como meta matar ou aleijar seu adversário, não é racional, é animal. É pior que animal, que, quando educado, se comporta melhor que estes assassinos do futebol.

Penso que entregar a segurança de um jogo de futebol ao Estado, e depois culpar a policia ou o clube pela briga é ridículo. Parece que somos crianças inconsequentes dependentes de um pai para nos cuidar e repreender, e sem o qual não sabemos nos comportar. Tinha é que deixar todos misturados, pra que fossem se agredindo e se matando até cansarem. Até eles próprios perceberem a imbecilidade do que fazem.

Continuar separando é continuar pondo combustível no fogo; é continuar justificando o erro que não se conserta pela separação, mas sim pela educação e pela convivência.

Enquanto isso não ocorre, você que acha que o futebol é tudo na sua vida, repense. Futebol não resolve a vida de ninguém, é um esporte, uma diversão, um passatempo. Algo para entretenimento, debate, nada mais.

Você que vive pelo time, tudo bem, só não extrapole o limite do teu corpo e tua mente, tentando enfiar no outro, a pontapés e sopapos, uma superioridade que só existe na tua cabeça infeliz.
Futebol é arte, é vida, é felicidade. É união e paz. Se fosse pra brigar, seria melhor termos coliseus ao invés de estádios, e trincheiras ao invés de arquibancadas.

Obs. A foto com os atleticanos está rasurada porque na empolgação do jogo esqueci de pedir permissão para publicar suas imagens. Peço perdão pela qualidade da edição, mas o paint é o aplicativo único que sou capaz de mexer para estes fins. Caso vejam esta coluna, amigos, favor me autorizar por email que coloco a foto original. Abraços!

37 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Tá na hora de tirar Alex?


26/05/2014 16h30
Fernando Schumak Melo

Qualidade o Coxa nunca teve muita, mas a impressão que se tinha era que com a chegada de Roth, a pegada mudaria, e o Coxa tiraria pontos com garra e vontade. Não foi o que ocorreu.
Quando sem Alex, empatamos contra o Santos jogando bem, e vencemos a Caldense, pudemos supor que quando o craque voltasse o time deslancharia. Não foi o que ocorreu.

Na verdade, o Coxa piorou depois que Alex voltou. Tá certo que perdemos Gil e Robinho, que ao menos corriam com disposição e um pouco de talento, mas é impossível deixar de notar que o meio campo carece não só de criatividade, mas de vontade e disposição.

Alex é craque, mas em fim de carreira, se salva fazendo um gol, colocando alguém de frente à meta adversária, e não precisa correr muito durante o jogo pra fazer isso. O problema é que esse seu estilo parece contagiar o resto do time. Todo mundo quer cadenciar igual Alex.Quando alguns diziam que Alex ditaria o ritmo do time, era pra ser uma coisa boa, mas não está sendo. De nada adianta maestro sem música, sem gente pra carregar o piano.

Roth tem que colocar na cabeça da boleirada, que, quem não tem história, não tem talento, tem que ter garra, vontade, determinação. E, se perceber que ainda sim, Alex causa prejuízo à evolução do time, que tire o craque. Coxa branca e profissional exemplar que é, saberá muito bem compreender o que é melhor para o time no momento.

68 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

# Vai pra Copa que te pariu!


16/05/2014 11h14
Fernando Schumak Melo

Sinceramente, alguém tinha dúvidas com relação às mazelas sociais e financeiras que adviriam ou seriam ressaltadas com a Copa do Mundo? Alguém duvidava da corrupção?
Alguém tinha dúvida de que maquiavelicamente, burlando regras, e relativizando o conceito de interesse público, tudo seria feito ao padrão FIFA?

Nem a FIFA tinha dúvidas disso. Aliás, ela tinha certeza de que os políticos brasileiros seriam capazes e eficazes na consecução destes fins festivos. É muito mais fácil à FIFA, como à ONU, FMI e etc., lidar e impor sua vontade a países imensos e de educação rasa, como Brasil e África do Sul, ou teocracias e semi-ditaduras, como Russia e Catar, do que com desenvolvidas democracias.

Agora, com o que ela não contava era com a incompetência dos governos na entrega de exigências básicas, aliada à densa burocracia brasileira, mesmo mitigada pelas leis eventuais da Copa.
Alguém acreditou quando Ricardo Teixeira garantiu a copa totalmente com recursos privados? Alguém questionou? De 2007 a 2013, as críticas foram espaçadas, dispersas, e o apoio ao status quo forte, unido, garantido pelas mídias estatais, pelas particulares que se servem do estado, e pelos talismãs oportunistas como Ronaldo, Bebeto, e o eterno “xodó” da publicidade, Pelé.

Mesmo depois do fracasso do Pan 2007, (lembram?), não houve protestos significativos quanto à candidatura do Brasil como sede do mundial. Agora não me venha você, depois de podre o cadáver, me mandar emails de protestos. Não seja hipócrita de postar na sua rede social “#vemprarua” “copapraquem” ou coisa que o valha.

Protestar a esta altura do campeonato é tão vergonhoso quanto não tê-lo feito em 2007. Você que já está catalogando alvos para apedrejar e demonstrar toda sua coragem-covarde diante das lentes de todo o mundo, não é diferente dos monstros que atiram balas, pedras, paus, e vasos sanitários em seus semelhantes. Aliás, apesar da tristeza pela vítima, o caso do vaso sanitário é emblemático, porque, literalmente, quem atira e quem recebe, só pode ter merda na cabeça.

ROUPA SUJA SE LAVA EM CASA. Já bastam a incompetência e a imbecilidade dos governantes. Não deem mais margem para que o mundo fale ainda mais mal do povo brasileiro. Sair às ruas em dia de jogo é para quem quer aparecer. É oportunismo de movimento social que infelizmente ganhará combustível partidário diante da corrida eleitoreira que se avizinha. Não se renda a isso. Raciocine. Não é o mundo que precisa ver nossa força e nossa garra; apenas nossos governantes.

A copa está aí. Inês é morta. Ao menos mostremos civilidade. A dignidade de uma nação está em jogo. Não peço a você que se encha de um patriotismo repentino e pendure a bandeira brasileira na janela, como um corta-luz que ofusca a realidade triste que vem do lado de fora. Peço que tente aproveitar em paz o momento. Tirando tudo o que foi dito acima, pra quem gosta de futebol como nós, é um puta momento histórico. Discutamos táticas, bebamos cervejas nos estádios, e mostremos que é possível beber sem quebrá-los. Recebamos bem os gringos, conversemos com eles, façamos nossos filhos aprender o quão lindo pode ser o esporte. O quão mágico é o futebol.

O momento de protestar é em outubro, não em junho, nem em julho.

62 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Vilson, futuro presidente da CBF?


08/05/2014 09h03
Fernando Schumak Melo

Paulo paixão, da seleção, nosso comandante do setor físico. Pracidelli, preparador de goleiros da seleção. E agora, Vilson, chefe da delegação canarinho no mundial.

Cargo meramente simbólico? Pode ser. Mas antes de entrar no mérito da discussão é preciso reconhecer, que, o nome do Coritiba está e estará em evidência durante toda a Copa. Todos os meios de comunicação nacionais e internacionais que mencionarem a origem do comandante em chefe das forças nacionais, terá de falar do Estado do Paraná, de Curitiba e, o melhor, do Coritiba.

Não conheço Vilson como pessoa, porém é notório que o homem é ambicioso, e, diante das alianças e comprometimentos que vem fazendo, não me surpreenderia que dentro em breve se tornasse presidente da CBF. Sair do interior do Paraná para virar executivo de sucesso, depois Presidente do maior clube do Estado, o seu clube do coração, e agora ser chefe do esquadrão nacional rumo ao Hexa, são provas cabais das ambições do homem que comanda o nosso clube.

Isso é bom principalmente para ele, óbvio. Mas, de revesgueio, é bom para o futebol paranaense que é carente de figuras públicas notórias. O Petraglia é notório, mas é malquisto, ninguém o suporta, então jamais será líder, salvo pela força. Num mundo onde não há mais espaço para revoluções, a mudança tem de vir de dentro, e o Estado do Paraná e o Coritiba, através do Pres. Vilson, parecem estar entrando na seara política do futebol com algum poder de fato.

Espero que as ambições do nosso mandatário não sejam meramente eleitoreiras, ou seja, tomara que ele não se candidate a nenhum cargo nas próximas eleições, e mantenha sua carreira no limite entre o privado e o público, tentando mudar o futebol da única maneira possível, por dentro.

Não é de uma facada que os cânceres de nosso futebol precisam, mas sim de um lavagem estomacal, processo interno de expurgo das mazelas e limpeza das falcatruas. Mas para isso não pode Vilson ser corrompido pelo sistema. Não sei nem se é essa a intenção de Vilson, curar o futebol, posso estar sendo extremamente inocente, mas, enfim, temos de acreditar.

Se não mudar o futebol, que ao menos o sucesso deste coxa-branca, reverta-se em dividendos ao Coxa. Pois, Vilson sabe que nossa seleção treina na Graciosa e joga no Couto.

http://www.gazetadopovo.com.br/copa2014/conteudo.phtml?tl=1&id=1467291&tit=Chefe-presidente-do-Coritiba-pretende-blindar-time-de-politicos

http://globoesporte.globo.com/pr/copa-do-mundo/noticia/2014/05/novo-chefe-da-delegacao-da-selecao-vilson-ribeiro-tem-perfil-empresarial.html

http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,presidente-do-coritiba-chefiara-a-delegacao-da-selecao-na-copa-de-2014,1163411,0.htm

48 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

3 pontos 3 jogos 0 saldo


05/05/2014 12h36
Fernando Schumak Melo

Dois jogos fora de casa e nenhuma derrota.
Ok, nenhuma vitória. Mas ninguém vive só de glória,
Desde quando isso não ocorria?
É essa a estatística que me dá alegria.

Ontem, Gil jogava demais. Corria, dobrava a marcação junto com Carlinhos e tabelava na frente. Quando saiu, pensei, o que será de nós?

Entrou Geraldo. Ponto para Roth, que percebeu já no primeiro tempo que dava pra ganhar. Até porque Geraldo não é mais aquele talismã de fim de atletiba. Evoluiu muito como ponta, e na recomposição defensiva.

Eis que então cai ao solo Robinho, pensei eu, fud...
Quando Norberto, o símbolo maior do fracasso da breve era Dado Cavalcanti entrou então, tive certeza de que estávamos perdidos. Mas não.

Jajá, Almeida, Claro, e Moacir (V. Ferraz que se cuide), todos jogaram bem. Baraka Obama, seguro como sempre, suportaram bem as baixas e preencheram as lacunas deixadas pelos contundidos. Destaque especial para Chico, que até fez gol sem tocar na bola. Coisa de gênio.

Vanderlei é aquela coisa né, uma no cravo outra na ferradura. Foi bem até o fim, quando falhou no segundo gol dos bambis. Tá certo que deixaram o morto do Ganso dar aquele passe, tá certo que o Lucas chegou meio tarde, mas, porra Vanderlei, você nunca sai do gol, tinha que sair logo ontem?

Enfim, semana cheia de trabalho. Não sei qual o grau das lesões de Gil e Robinho, mas se contarmos com eles para o próximo domingo, e contando também com o retorno de Alex, meu time seria: Vanderlei, V. Ferraz (Moacir), Claro, Almeida e Little Charles. Obama e Gil. Robinho, Alex e Now-now e Zé Love. 4-2-3-1, ou 4-5-1, com forte poder de marcação e agudo no ataque. Pra cima deles Verdão!

9 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Aplausos


28/04/2014 13h00
Fernando Schumak Melo

Para a torcida, dedicação, empenho, talento, vontade valem muito mais do que três pontos. Tanto é verdade que o Coxa saiu aplaudido sábado do gramado do Couto.

Para o campeonato, é óbvio que o melhor seria ter vencido, porém, a previsão que se pode fazer é de melhora. A expectativa que se pode ter, a partir do empate injusto contra o Santos é esperançosa.
Falar a partir de um jogo é complicado, então tomemos por base os últimos três. Nenhum gol sofrido, e dois marcados. Nenhuma derrota, com dois empates e uma vitória. É cedo, claro, mas a invencibilidade e a regularidade são duas características desta ainda breve era Roth.

Sobre o jogo último, belas atuações. Começando pelo treinador, passando por Gil, Zé Love, Robinho e Jajá.
Jájá que apesar de corpulento e meio desengonçado, aparenta ser talentoso, daqueles que limpam e clareiam a jogada. Sua corpulência, em verdade, até ajuda, na medida em que o marcador não espera alguma jogada de habilidade e agilidade, e acaba sendo surpreendido

Claro e Almeida, que já eram bons, agora ajudados por Baraka, passam muita segurança. A qual Vanderlei ainda precisa de nós reconquistar, mas ao menos não tem comprometido.

Quarta temos o confronto pela Copa do Brasil contra a Caldense. Caldense que já foi campeã de Minas em 2002 e tem mais de 11mil sócios, como diz seu site. É um clube antigo, respeitável, porém é claro que o Coxa é amplamente favorito, e pode, inclusive evitar o jogo da volta. Talvez já tenhamos Alex, mas, se não tivermos, está provado que existe vida sem o craque. Uma vida com menos brilho, mas vivível.

No alto de tantas glórias, brilha um novo Sol de esperança. Nova união à vista entre aquela que nunca abandona e o da alma guerreira. Quando estes dois estão unidos, são insuperáveis!

48 Comentários. Comente sobre esse post.

Ou entre em contato com este blog através do e-mail futebolrazaoxemocao@blog.coxanautas.com.br.

Mostrando de 1 a 10. Mostrar posts por página.

Página anterior | Página 1 | Próxima página

COXAnautas

1996-2014 © COXAnautas - Portal da torcida do Coritiba - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Race Internet